FUNDAMENTALISMOS EMERGENTES NO BRASIL E A EXCLUSÃO DA DIFERENÇA: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE CLAUDE LEFORT E CHANTAL MOUFFE

PEDRO MANENTI VIEIRA DA SILVA, CAMILA SALGUEIRO DA PURIFICAÇÃO MARQUES

Resumo


O presente artigo tem como objetivo esclarecer o paradoxo de uma democracia baseada na diferença de opiniões e crenças - já que essas opiniões e crenças podem ter cunho fundamentalista, a ponto de representar um risco à própria democracia - e avaliar tal paradoxo no contexto político brasileiro contemporâneo. Para tanto, parte-se da análise de reportagens que mostram diversas formas de discurso fundamentalista presentes no Brasil atual. Em seguida, tais discursos são associados aos textos teóricos de dois pensadores relevantes para a política e que tem como tema essencial de seus trabalhos a democracia e suas consequências, mais especificamente a possibilidade de emergência de regimes totalitários mediante uma ideologia fundamentalista - são eles Claude Lefort e Chantal Mouffe. Por fim, analisam-se as consequências políticas do fundamentalismo pelo crivo de uma teoria da democracia fundada na noção de pluralismo agonístico, como descrita por Mouffe, e se pensa sobre qual postura adotar diante tal paradoxo da democracia. Portanto, a pesquisa é tanto documental (análise de reportagens) quanto bibliográfica (revisão de textos teóricos). A pesquisa não buscou exaurir o assunto, tão somente prezou por organizar o panorama político dos fundamentalismos no contexto da democracia contemporânea e tentou localizar o ponto no qual convergem as teorias da democracia que se preocupam com a questão da diferença - e que são, de modo geral, não consensualistas - com a realidade política brasileira atual.

Texto completo:

168-190

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988.

BOFF, Leonardo. Fundamentalismo: A Globalização e o Futuro da Humanidade. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

FERNANDES, Nathan, e TANJI, Thiago. O Brasil Virou o País do Fanatismo?. Galileu, 6 de maio de 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 de janeiro de 2018.

HALL, Evelyn B. The friends of Voltaire. London: Smith, 1906. Disponível em: Acesso em: 10 de janeiro de 2018.

KOZICKI, Katya. Conflito e estabilização: comprometendo radicalmente a aplicação do direito com a democracia nas sociedades contemporâneas. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2000. Disponível em Acesso em: 5 de fevereiro de 2018

LEFORT, Claude. Pensando o Político: Ensaios sobre democracia, revolução e liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

LUXEMBURGO, Rosa. A revolução russa. Petrópolis: Vozes, 1991.

MARCON, Telmo. Fundamentalismo e democracia: desafios políticos e educacionais. Anais do XII Congresso Nacional de Educação. Curitiba: Educere. v. 1. p. 668-701, 2015.

MOUFFE, Chantal. The democratic paradox. London: Verso, 2005a.

______, Chantal. O regresso do político. Tradução de Joaquim Coelho Rosa. Lisboa: Gradiva, 1996.

______, Chantal. Pensando a Democracia, com, e Contra Carl Schmitt, Tradução de Menelick de Carvalho Neto. Revue Française de Science Politique, vol. 42, nº. 1 - fevereiro, 1992.

______, Chantal. The return of the political. London: Verso, 2005b.

MENDONÇA, Daniel. Teorizando o agonismo: crítica à um modelo incompleto. Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, p. 13-43, dezembro de 2010. Disponível em Acesso em: 8 de janeiro de 2018.

MIGUEL, Luiz Felipe. Consenso e Conflito na Teoria Democrática: Para Além do "Agonismo". Lua Nova, São Paulo, v. 92, p. 13-43, agosto de 2014. Disponível em: Acesso em: 10 de janeiro de 2018.

ORWELL, George. Revolução dos Bichos. Tradução de Heitor Aquino Ferreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

RICOEUR, Paul. Le Conflit des Interprétations: Essais d’Herméneutique. Paris: Seuil, 1969.

______. Teoria da Interpretação: O Discurso e o Excesso de Significações. Tradução de Artur Morão. Introdução e comentários de Isabel Gomes. Porto: Porto Editora, 1995.

ROMAN, Clara. A Onda Bolsonaro e o Despertar do Neonazismo. In: Carta Capital, 4 de abril de 2012. Disponível em: . Acesso em: 8 de janeiro de 2018.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Pensamento Jurídico