REVOLUÇÃO DIGITAL, DISPOSITIO E DEMOCRACIA: OBJETIVAÇÃO-SUBJETIVAÇÃO, CAPTURA E GOVERNO DO HOMEM NA SOCIEDADE HODIERNA

CAROLINA NOURA DE MORAES RÊGO, LUÍS Roberto GOMES

Resumo


Na história do homem, as ideologias foram o motor propulsor dos grandes acontecimentos. Revoluções, guerras, paz, desenvolvimento científico, pautaram-se nelas. Todavia, na sociedade hodierna, verifica-se uma apatia generalizada em relação ao sistema de ideias que legitima o poder econômico dominante no mundo globalizado, ao tempo em que o ilimitado crescimento dos dispositivos tecnológicos digitais na última década incrementa e prolifera processos de objetivação-subjetivação vocacionados à constituição, à captura e ao controle dos indivíduos. Destaca-se a Revolução Digital e os dispositivos como armadilhas tecnológicas que contribuem para a disseminação de um estado de ausência de fundamentação, que facilita os processos de subjetivação, alienação e instrumentalização do homem. Faz-se necessário refletir, pois, acerca da influência protagonizada no processo democrático por esse estado de coisas que envolve tecnologia digital, homem e Inteligência Artificial, revolução tecnológica, plataformas eletrônicas, mídias, redes sociais e instrumentos sofisticados de comunicação, contextualizando nas recentes eleições norte-americana e brasileira.

Texto completo:

181-207

Referências


ABREU, Cristiano Nabuco de; EISENSTEIN, Evelyn; ESTEFENON, Suzana Graciela Bruno (Orgs). Vivendo esse mundo digital: impactos na saúde, na educação e nos comportamentos sociais. São Paulo: Artmed, 2013.

ADAMS, Tim. And the Pulitzer goes to… a computer. Fonte: https://www.theguardian.com/technology/2015/jun/28/computer-writing-journalism-artificialntelligence. Acessoem 1/6/2018.

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Vinícius NicastroHonesko. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ALTER, Adam. Irresistible: theriseofaddictivetechnologyandthe business ofkeepingushooked. New York: Penguim Books, 2018. ARAÚJO, Inês Lacerda. Foucault e a crítica do sujeito. Curitiba: Ed. da UFPR, 2001. AVELINO, Nildo. Foucault, governamentalidade e neoliberalismo. In RESENDE, Haroldo de. Michel Foucault: política – pensamento e ação. P. 163-178, Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. BOBBIO, Norberto. As ideologias e o poder em crise: pluralismo, democracia, socialismo, comunismo, terceira via e terceira força.Brasília: Universidade de Brasília: Polis, 1990.

BRASIL. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Inteligência artificial vai agilizar a tramitação de processos no STF. Fonte:http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=380038. Acessoem: 1/6/2018.

CARNIO, Henrique Garbellini; CARVALHO FILHO, Nelson de; RÊGO, Carolina Noura de Moraes. Coragem e racionalidade jurídica: o jogo sem fim do direito. Rio de Janeiro: Lumen Iuris, 2017

EUA. VISIONARY INNOVATION GROUP. Fonte: https://ww2.frost.com/research/visionaryinnovation/innovation-foresight-research/.Acesso em: 1/6/2018.

FONSECA, Márcio Alves da. Michel Foucault e a constituição do sujeito. 3. ed. São Paulo: EDUC, 2011.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Trad. Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

________________. O governo de si e dos outros. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

________________. A Hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (19811982)/Michel Foucault: edição estabelecida sob a direção de François Ewald e Alessandro Fontana, por Frederic Gros; Trad. Márcio Alves da Fonseca, Salma TannusMuchail. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

________________. Microfísica do Poder. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FREY, Thomas. 101 Endangered Jobs by 2030. Fonte: https://www.futuristspeaker.com/business-trends/101-endangered-jobs-by-2030/. Acessoem: 1/6/2018.

_____. 162 Future Jobs: Preparing for Jobs that Don’t Yet Exist. Fonte: https://www.futuristspeaker.com/business-trends/162-future-jobs-preparing-for-jobs-thatdont-yet-exist/. Acessoem: 1/6/2018.

_____. 72 stunning things in the future that will be common ten years from now that don’t exist today. Fonte: https://www.futuristspeaker.com/business-trends/72-stunning-things-inthe-future-that-will-be-common-ten-years-from-now-that-dont-exist-today/. Acesso em 1/6/2018.

GUERRA FILHO, Willis Santiago; CARNIO, Henrique Garbellini. Teoria política do direito: a expansão política do direito. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

HAN, Byung Chul. Sociedade da Transparência. Rio de Janeiro: Editora Vozes, RJ. 2017.

HOBSBAWM, Eric. Globalização, democracia e terrorismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PINHEIRO, Patricia Peck Garrido. Direito digital: da inteligência artificial às legaltechs. Revista dos Tribunais, vol. 987/2018, p. 25-37, jan. 2018.

REAGLE, Joseph. FollowingtheJoneses: FOMO andconspicuoussociality. FirstMonday, Volume 20, n. 10, 5/10/2015. doi: http://dx.doi.org/10.5210/fm.v20i10.6064. Fonte: http://firstmonday.org /ojs/index.php/fm/article/view/6064/4996. Acesso em 29/6/2018.

REALE, Miguel. Filosofia e teoria política: ensaios. São Paulo: Saraiva, 2003.

SALDANHA, Alexandre Henrique Tavares; MEDEIROS, Pablo Diego Veras. Processo judicial eletrônico e inclusão digital para acesso à justiça na sociedade da informação. Revista de Processo, vol. 277/2018, MALHEIRO, Emerson Penha.A inclusão digital como direito fundamental na sociedade da informação. Revista dos Tribunais, São Paulo, vol. 987/2018, p. 39-54, jan. 2018.

VEEN, Win; VRAKKING, Bem. Homo zappiens: educando na era digital. São Paulo, Artmed, 2006.

YOUSSEF, Alexandre.Novo poder: democracia e tecnologia. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BAUMAN, Zygmunt. A Globalização e as suas consequências humanas. São Paulo. Ed. Zahar. 1999


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Pensamento Jurídico