A SOCIEDADE PÓS-MODERNA E O VALOR JURÍDICO DO TEMPO: AS INCONGRUÊNCIAS DE TRATAMENTO DO TEMPO PELO FORNECEDOR E O DANO TEMPORAL CAUSADO AO CONSUMIDOR

DENIS VERBICARO, ELIANA MAGNO GOMES PAES, GISELE SANTOS FERNANDES

Resumo


Este estudo tem o objetivo de discutir a difundir o dano temporal como categoria autônoma na sociedade consumidora na pós-modernidade. O problema de pesquisa está em analisar o valor jurídico e econômico do tempo para a construção dessa sociedade e suas consequências jurídicas, em especial na diferença de tratamento por parte do fornecedor de produtos ou serviços. A metodologia consiste, essencialmente, em busca teórica, tendo como autores Sergio Sabastián Barocelli, Marcos Dessaune, Gilles Lipotvesky, Maurílio Casas Maia, dentre outros.

Texto completo:

86-107

Referências


BAROCELLI, Sergio Sabastián. Cuantificación de daños al consumidor por tempo perdido. Revista do Direito do Consumidor, São Paulo, ano 22, vol. 90, 2013.

DESSAUNE, Marcos. Teoria aprofundada do desvio produtivo do consumidor: o prejuízo do tempo desperdiçado e da vida alterada. Vitória, 2017.

LIPOVESTSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MAIA, Maurílio Casas. O dano temporal indenizável e o mero dissabor cronológico no mercado de consumo: quando o tempo é mais que dinheiro – É dignidade e liberdade. Revista do Direito do Consumidor, São Paulo, ano 23, vol. 92, 2014.

MORAES, Maria Celina Bodin. Danos à pessoa humana: uma leitura civil-constitucional dos danos morais. Rio de Janeiro: Editora Renovar, 2003.

SARMENTO, Daniel. Direito Fundamentais e Relações Privadas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

SOARES, Flaviana Rampazzo. Responsabilidade civil por dano existencial. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

SOUSA, Heder Rubens Silveira e. Reflexões sobre o dano temporal. Lex magister. 2017. Disponível em: . Acesso em 31 mar. 2018.

STOLZE GAGLIANO, Pablo. Responsabilidade civil pela perda do tempo. Jus Navigandi. Teresina: ano 18, n. 3540. Disponível em htpp://jus.com.br/artigos/23925) Acesso em 29/01/2018.

VERBICARO, Dennis; PENNA E SILVA, João Vitor; LEAL, Pastora do Socorro Teixeira. O mito da indústria do dano moral e a banalização da proteção jurídica do consumidor pelo Judiciário brasileiro. Revista do Direito do Consumidor. Vol. 114. Ano 26. P. 75-99. São Paulo: RT, nov. – dez., 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Pensamento Jurídico