REFLEXÕES SOBRE O MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO E NA PESQUISA JURÍDICA: A TECNOLOGIA REVOLUCIONANDO O PAPEL DOS LIVROS NO DIREITO

EVELINE GONÇALVES DENARDI, RENNAN FARIA KRÜGER THAMAY

Resumo


O ensino superior vem sendo discutido, constantemente, com a intenção de analisar as capacidades do sucesso de estudantes e professores. O presente estudo tem como objetivo verificar o uso do material didático no ensino jurídico, a começar pela disciplina metodologia da pesquisa nos cursos de direito e perpassar por áreas clássicas, como o direito constitucional, o direito civil e o direito processual civil. A reflexão sobre o uso dos manuais de elaboração de trabalhos de conclusão de curso em detrimento dos livros doutrinários ganha relevância ao se levar em consideração que os manuais são uma ferramenta de grande importância no processo de ensino aprendizagem e que, atualmente, são um dos recursos mais utilizados no ambiente universitário. A pesquisa jurídica possui particularidades próprias e é necessário que no curso de Direito o aluno aprenda a realizá-la da maneira correta. Analisar a relação entre manuais didáticos, as concepções que embasam esses manuais e as novas tecnologias que estão revolucionando o papel dos livros permitem algumas conclusões. A primeira diz respeito ao fato de que produzir o trabalho de conclusão de curso não significa seguir apenas as normas da ABNT; é necessário que os alunos percebam que a pesquisa é muito mais do que isso. Diferentes áreas acadêmicas constroem sua metodologia e só o aprofundamento dos conceitos que se veem nos livros possibilita a produção do conhecimento desejado. É neste campo que entra a tecnologia inserida nos livros em seus formatos impresso e ebook e que, pouco a pouco tem mudado o perfil deste instrumento que não só oferece a leitura clássica, mas que também passou a ser ponto de partida para novos serviços de acesso ao conhecimento, dando início a uma verdadeira revolução no ensino e na pesquisa do Direito.


Texto completo:

169-183

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Pensamento Jurídico